Versículo chave: Rute 1: 1-7

Vivemos em um mundo onde a cada dia se vê mais desastres naturais, crises econômicas, doenças, fome e rumores de guerra. As notícias, principalmente as más notícias, chegam em questão de segundos, por um tablet, um celular, ou seja, qualquer meio eletrônico com acesso à internet.

Essas informações em excesso, as facilidades da vida moderna e o fato das pessoas quererem ter tudo “para ontem” somados à pressão para se ter sucesso, dinheiro, fama e beleza nas redes sociais têm causado ansiedade e depressão nos jovens de hoje.

Diante das incertezas da vida, não podemos nos afastar de Belém, da Casa do Pão. A única certeza de que temos é a de que não devemos sair da “Casa do Pão”.

Em Rute 1:1-7, vemos a história de Noemi, uma mulher que foge de Belém com seu esposo devido a uma grande fome que se instaura naquele lugar, indo morar na terra de Moabe. Lá, seus filhos casam com moabitas (povo inimigo de Israel).

Em Moabe, o marido e os filhos morrem, deixando Noemi e as noras viúvas. Durante esse tempo, a crise em Belém acaba e ela resolve voltar, mas antes libera as noras para que pudessem voltar às suas famílias e quem sabe casar novamente. De todas as noras, somente Rute fica com Noemi.

Belém representa a casa do Pão, Jesus, onde Deus nos dá o alimento espiritual e de onde não devemos sair. Noemi e a família se afastaram de Belém devido a uma crise na região. Eles foram procurar fartura e benção em outro lugar.

Logo na primeiros versículos, notamos que não se fala de escassez em Moabe, mas de morte. Entendemos que as crises não devem te fazer abandonar Belém, a Casa do Pão (e Jesus é o Pão da vida). O primordial é Ele e a Sua presença.

Belém deve ser inegociável. Não adianta ter tudo e não ter Deus, que deve ser o primeiro em nossas vidas.

A Palavra de Deus diz em Mateus 6:33-34: “Buscai, assim, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas. Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará suas próprias preocupações. É suficiente o mal que cada dia traz em si mesmo”.

Vemos também em João 16:33: “Eu disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo”.

Nas crises ficamos vulneráveis para cair nas armadilhas do diabo, que vem para matar, roubar e destruir (João 10:10).

Se o diabo faz isso quando você está focado em Deus, imagina quando você está mal ou passando por uma dificuldade. Não podemos abandonar o fundamental (a Casa do Pão) para ir atrás de bens materiais, carreira, dinheiro, sucesso. Essas coisas são boas, porém o foco principal deve ser Jesus, ou as suas prioridades se invertem.

A essência é Belém, pois fora da Casa do Pão a gente esfria e muitas vezes desvia. Se não for Deus o primeiro lugar na sua vida, o seu foco já está desviado! Fora da Casa do Pão, fora de Jesus, a gente encontra a morte.

Não o deixe o primordial para buscar o secundário. O resultado disso é a morte espiritual. Fora da vontade de Deus, você até encontra sucesso na profissão, na vida financeira, etc… mas sem a Presença de Deus você morre espiritualmente.

Nada neste mundo, nem pai, nem filhos… podem nutrir a nossa alma, porque fora da casa do Pão não há nutrição. Não adianta fartar o corpo e matar a alma. Em Mateus 8:36 diz: “Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”.

Tenha paciência e espere o melhor de Deus. Ele existe no meio do caos e Ele SEMPRE provê nas crises.

Hudson Taylor, um missionário britânico na China, escreveu que “A obra de Deus, do jeito de Deus, terá o sustento de Deus”.

Não tente decifrar Deus. Ele não existe, Ele É! Ele É Deus! Renda-se a Ele! Não demande o que você acha que Deus deve fazer! Lembre-se sempre de que as crises não devem te fazer abandonar Belém, a Casa do Pão, pois Jesus é o Pão da vida”.

Pregação do dia 1 de junho de 2019 – Thiago Vajas Simões

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.