O escritor e alpinista Jon Krakauer estava determinado a alcançar o “teto do mundo”, o cume do Monte Everest. Na árdua escalada em que alguns de seus companheiros morreram, ele perseverou. E alcançou o topo no dia 10 de maio de 1996.

A respeito daquele momento Krakauer escreveu: “Eu tinha uma compreensão limitada, obscura, de que [aquela extensão de terra sob meus pés] seria uma visão espetacular. Havia fantasiado por meses sobre aquele momento e a carga de emoção que o acompanharia. Mas no instante em que finalmente estava ali, pisando o cume do Monte Everest, simplesmente não conseguia juntar energia para desfrutar daquela paisagem.”

Os alvos temporários nunca nos satisfazem totalmente. Vemos isso no ministério de Paulo. Ele disse aos cristãos de Filipos: “prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Filipenses 3:14). É o alvo para o qual “…também fui conquistado por Cristo Jesus” (v.12). Ele “…transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória…” (v.21).

Esse alvo pode nos dar o incentivo mais poderoso, pois nos inspira a nos tornarmos mais e mais semelhantes a Jesus. Cada passo nessa direção alegra e satisfaz a alma. Estamos sendo zelosos, sábios e prudentes para alcançar esse alvo?

Fonte: Ministérios Pão Diário